FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES

VIII SEMINÁRIO DA CONSCIÊNCIA NEGRA – MULTIPLICIDADES DO BRANQUEAMENTO E SUAS INTERFACES

 

Entre 21 e 22 de novembro de 2019, a Faculdade Zumbi dos Palmares realizará o VIII Seminário da Internacional da Consciência Negra. Nesta oitava edição, o tema central está articulado com o adotado na FLINK (Festa da Literatura Negra) que foca a questão do branqueamento impulsionado pela campanha realizada em parceria com a Agência Gray, com ampla divulgação do trabalho que realizou sobre Machado de Assis, ação que chegou a ser publicizada em inúmeros veículos de comunicação chegando ao New York Times.

O objetivo do Seminário é pautar a questão do branqueamento na perspectiva teórica e prática, em suas evidências e interfaces socialmente construídas. Isto nos coloca como desafio estruturar um seminário que abarque no debate reflexões e problematizações sobre questões históricas, políticas, sociais, culturais imbricadas com a temática proposta.

 

21 DE NOVEMBRO 

HORÁRIO PROGRAMA/ TEMA  PALESTRANTE Ementa da mesa
9h00 Palavras de abertura Prof. Drº José Vicente

Profª Ms Denise Sawaia Tofik -Diretora Acadêmica

Profª Drª Cileda dos S. Sant’Anna Perrella Coordenadora do Curso de Pedagogia

10h00 Mesa de Debate 1: Branqueamento

1.Branqueamento: reflexões políticas e pedagógicas

2.Diaspora negra

Educação para as relações Étnico-raciais

1 Profª Drª Débora Jeffrey  (Unicamp)-

2. Profª Drª Claudete de Sousa Nogueira (Unesp)

Moderador: Profº. Drº. Alexsandro do Nascimento Santos (Escola do Parlamento – CMSP)

A mesa debate a questão do branqueamento tendo como ilustração a trajetória Machado de Assis. Discute a diáspora negra e traz reflexões políticas e pedagógicas sobre o tema
11h30 Mesa de Debate 2: Branqueamento

1.     A reprodução do branqueamento nos dias atuais/Políticas de ação afirmativa/cotas

2.     Machado de Assis nos dias atuais

1. Profª Drª Cida Bento (CEERT/USP)

2. Profº Drº Rogério de Almeida (FE-USP)

Moderadora: Profª. Drª Iracema Santos do Nascimento (FE-USP)

Nesta mesa o branqueamento é abordado tendo em conta sua reprodução nos dias atuais, bem como as políticas de ação afirmativa.
18hs Roda de conversa: A cor da juventude violentada

A constituição de coletivos

 Coletivos Negro

Vozes (UFABC)

Quilombo Cabeça de Nego (IFSP)

Negra Tinta (Unesp)

Debate sobre a violência sofrida pela juventude negra e suas formas de resistência

A constituição do coletivo Zumbi

19h30 Mesa de Debate 3: Juventude Negra

1. Cooperação Acadêmica Brasil-África para a Educação

2.  Política das diferenças no Ensino Superior

Ações afirmativas

1. Profº Drº Roberto da Silva (USP)

2. Profº Drº Mauricio Pedro da Silva (Uninove)

Moderadora: Profª Ms Najara Lima Costa  (FAZP)

A mesa debate a juventude negra trata da Cooperação Acadêmica Brasil-África  e a política das diferenças no ensino superior provocando reflexões sobre o branqueamento nas IES
20h30 Mesa de Debate 4: A prática do ódio dividindo a sociedade

Gênero

Raça

Religião

1. Profº Drº Rosenilton S. de Oliveira (USP)

2. Profª Ms. Lídia Maria Lima (UMESP)

Moderadora: Profª Drª Andreia Fernandes (FAZP)

A mesa discute o cenário da sociedade brasileira na atualidade em que a prática da intolerância e do ódio afloram e colocam questões de gênero, raça, religião entre outras no centro do debate

 

22 DE NOVEMBRO

HORÁRIO PROGRAMA/ TEMA PALESTRANTE  
8h30 Debate: o que quer a juventude?

Estatuto da juventude x direito a diferença

Estudantes graduandos e pós-graduandos – Faculdade Zumbi dos Palmares e convidados.

Mediação: Giovanni Rodrigues (aluno 4º semestre de Direito da FAZP)

 

O debate foca o contexto político e social e legal (2013) em que foi elaborado o Estatuto da Juventude. Momento em que jovens e adolescentes, muitos deles negros foram presos, expulsos de escolas, agredidos por contestar o sistema.
9h30 Mesa de Debate 5: O lugar da fala

1. Educação, Mídia e presença negra/Educação na e pela diversidade

4. a cor da pele importa sim!

1.     Profº Drº Juarez Tadeu de Paula Xavier (Unesp)

2.     Profª Drª Crislei Custodia (USP)

Moderador: Profº. Ms Renato Candido de Lina (PP)

A mesa debate o discurso do senso comum sobre a  questão racial, o lugar da fala, usos e abusos da mídia diante da presença/ausência negra. Discute o papel da educação na e pela diversidade
11h

Mesa ok

Mesa de Debate 6: Racismo

1.     Racismo estrutural

2.     Africanidade e espaços geográficos

1. Profº Ms Eduardo Januário (USP)

2. Profª Drª Kelly Cristina Magalhães (Unesp)

Moderador: Profº Ms João Batista Silva dos Santos ( FAZP)

A mesa dará visibilidade ao que muitas vezes é tratado como invisível.  Debaterá a questão do racismo estrutural, também tratará da africanidade e sua conformação nos espaços geográficos
18h Roda de Conversa

A cor da periferia

Políticas Públicas

Bancada Ativista SP Alunos, ativistas, educadores discutem a questão da presença/ausência de políticas públicas nos centros e periferias das cidades
19h30 Mesa de Debate 7: Corporeidade negra

1. Corporeidade negra

2.Ancestralidade, protagonismo & autogestão na negritude

1. Profª Drª Andresa de Souza Ugaya (Unesp)

2. Profº. Drº. Marcos Ferreira dos Santos (USP)

 

Moderadora: Profª Ms Cirena Calixto (FAZP)

A mesa discute a questão da corporeidade negra, traz o debate da ancestralidade e protagonismo bem como a possibilidade de autogestão na negritude
21hs Encerramento: Coral Zumbi  

 

 

Público alvo:

 

Graduandos e Pós-Graduandos da Faculdade Zumbi dos Palmares

Graduandos e secundaristas do Instituto Federal São Paulo

Graduandos e Secundaristas Fatec/SP e ETec/SP

Professores das redes públicas e privadas

 

Instituições  parceiras

Universidade de São Paulo – Usp

Universidade Estadual Paulista “Julio Mesquita Filho” – Unesp

Universidade Estadual de Campinas – Unicamp

Realização

Faculdade Zumbi dos Palmeiras

Organização

Cileda dos Santos Sant’Anna Perrella (Coordenadora do Curso de Pedagogia)

Telma Cezar Martins (Professora do Curso de Pedagogia)

Denise Tofik Sawaya (Diretora Acadêmica)

Débora Jeffrey

Professora Livre Docente (MS5.1) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Faculdade de Educação, Departamento de Políticas, Administração e Sistemas Educacionais (DEPASE). Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Política e Avaliação Educacional (GEPALE). Vice- Presidente da Região Sudeste da Sociedade Brasileira de Educação Comparada (SBEC). Graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Campinas (1999), Mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2001), Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2006) e Livre-Docente na área de Política Educacional pela Universidade Estadual de Campinas (2015). Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: política educacional, análise de políticas e programas educacionais, avaliação sistemas educativos, gestão educacional, africanidades.

Rogério de Almeida

Professor Associado da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP). Coordena o Lab_Arte (Laboratório Experimental de Arte-Educação & Cultura) e o GEIFEC (Grupo de Estudos sobre Itinerários de Formação em Educação e Cultura). É Editor da Revista Educação e Pesquisa (FEUSP) e Editor Colaborador para a área de Educação da Revista Machado de Assis em Linha. Bacharel em Letras (1997), Doutor em Educação (2005) e Livre-Docente em Cultura e Educação, todos os títulos pela Universidade de São Paulo (USP). Pós-doutoramento na Universidade do Minho (2016). Trabalha com temas ligados a Cinema, Literatura, Filosofia Trágica e Imaginário. Site: www.rogerioa.com.

 

Claudete de Sousa Nogueira

Possui Graduação em História pela Universidade de Sorocaba- UNISO (1990), Mestrado em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho -UNESP (1998) e Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas- UNICAMP (2009). Atualmente é docente assistente Doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP).É pesquisadora associada do Centro de Estudos das Línguas e Culturas Africanas e da Diáspora Negra (CLADIN), do Laboratório de Estudos Africanos, Afrobrasileiros e da Diversidade (LEAD).Coordenadora do Grupo de pesquisa Educação das relações etnicorraciais (ERE) Coordenadora Executiva do Núcleo Negro UNESP para Pesquisa e Extensão (NUPE) . É líder do Grupo de Pesquisa Políticas Sociais, relações Étnico-Raciais e Cidadania. Tem experiência na área de Ensino de História e Geografia, Educação e Cultura, com ênfase em Relações Etnicorraciais e Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, cultura,identidade étnica e memória,formação de professores.

Maria Aparecida Silva Bento

Possui graduação em Psicologia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Farias Brito (1977) , mestrado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1992) e doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (2002) . Atualmente é Diretora Executiva do Centro de Estudo das Relações de Trabalho e Desigualdades. Tem experiência na área de Psicologia , com ênfase em Psicologia do Desenvolvimento Humano. Atuando principalmente nos seguintes temas: Ações afirmativas, Identidade étnica, Discriminação no trabalho, Administraçãode recursos humanos, Preconceito.

 

Roberto da Silva

ROBERTO DA SILVA é Pedagogo (UFMT, 1993), Mestre (USP, 1998), Doutor (USP, 2001) em Educação e Livre Docente em Pedagogia Social (USP, 2009). Atualmente é professor Livre Docente do Departamento de Administração Escolar e Economia da Educação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Leciona no Programa de Pós-Graduação em Educação e orienta mestrado e doutorado na Linha de Pesquisa Estado, Sociedade e Educação. É o editor da Coleção Pedagogia Social junto à Editora Expressão e Arte e participa do Conselho Editorial da Revista de Ciências da Educação (UNISAL) e de Cadernos de Pedagogia Social (Portugal). Coordena o Mestrado em Educação na Universidade Lueji ANkonde, de Angola) e coordena convênios com Angola, Argentina e Alemanha. Organiza os Congressos Internacionais de Pedagogia Social (2006, 2008, 2010, 2012, 2015 e 2018) e as Jornadas Brasileiras de Pedagogia Social (16ª edição). É membro do comitê de Ética em Pesquisa do Sistema Penitenciário do Estado de São Paulo. Orientou 25 trabalho de Iniciação Científica, 3 Trabalhos de Conclusão de Curso e 17 dissertações de Mestrado, 8 doutorados e 1 pós-doutorado na Faculdade de Educação da USP. Recebeu 9 prêmios e 2 homenagens. Atua na área de Educação, com ênfase em Administração de Sistemas Educacionais e Educação em espaços não escolares, especialmente, abrigos, unidades de internação de adolescentes e estabelecimentos penitenciários. Coordena o GEPÊPrivação (Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Educação em Regimes de Privação da Liberdade e o GEPEULAN (Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Educação em Angola).

Maurício Pedro da Silva

Graduado em Letras-Português pela Universidade de São Paulo (1990). 2. Mestre em Letras Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (1995). 3. Doutor em Letras Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (2001). 4. Pós-Doutorado em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (2005). 5. Professor do Programa de Mestrado e Doutorado em Educação da Universidade Nove de Julho (UNINOVE). 6. Líder de pesquisa do grupo Literatura e Razões Literárias, vinculado à Universidade Nove de Julho e certificado pelo CNPq. 7. Membro do Comitê Científico Multidisciplinar da Universidade Nove de Julho. 8. Pesquisador do Centro Interdisciplinar de Ciência, Tecnologia e Sociedade da Universidade de Lisboa (CICTSUL). 9. Pesquisador do Programa Marco Interuniversitário para a Equidade e a Coesão Social nas Instituições de Ensino Superior (RIAIPE 3), da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (2011). 10. Organizador da Série “Língua, Cultura e Literatura” e membro da Comissão Científica da Editora Arte-Livros-São Paulo (2012-2014). 11. Membro da Associação Brasileira de Literatura Comparada/ABRALIC, da Associação de Professores de Língua e Literatura/APLL, da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras e Língüística/ANPOLL – GT Historiografia da Lingüística Brasileira, da Associação Brasileira de Leitura/ALB, do Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos/CiFEFiL, da Associação Brasileira de Lingüística/ABRALIN, da Associação das Universidades de Língua Portuguesa/AULP, da American Association of Teachers of Spanish and Portuguese/AATSP, do Brazilian Studies Association/BRASA, da Modern Language Association/MLA e da Asociación de Lingüística y Filologia de América Latina/ALFAL. 12. Membro do conselho editorial da Coleção Escritos Acadêmicos, da Paco Editorial (São Paulo) e da Revista FronteiraZ (PUC- SP)13. Parecerista de periódicos diversos 14. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: literatura brasileira, língua portuguesa, gramaticografia, pré-modernismo, historiografia lingüística e outros. 15. Tem vários artigos, capítulos de livros e livros publicados, no Brasil e no exterior.

 

Rosenilton Silva de Oliveira

Docente na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (Departamento de Administração Escolar e Economia da Educação), Doutor em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo e pela Ecole de Hautes Etudes en Sciences Sociales (Paris/França, 2017). Mestre em Antropologia Social pela USP (2011); especialista em Gestão Escolar pela Universidade Iguaçú/RJ (2007) e graduado (bacharelado e licenciatura) em Filosofia pela Universidade de Sorocaba/SP (2005). Coordenador do Fateliku- Grupo de Pesquisa sobre educação, relações étnico-raciais, gênero e educação. É pesquisador associado no Laboratório Experimental de Arte-Educação e Cultura (Lab_Arte – FE/USP) e no Laboratório do Núcleo de Antropologia Urbana da USP (Lab/NAU/USP). Integra a comissão editorial da revista PONTO.URBE (DA/USP). Autor do livro "Orixás a manifestação cultural de deus": uma análise das liturgias católicas inculturadas". Atualmente desenvolve pesquisa sobre educação. identidade, religião e políticas públicas com recorte étnico racial.

 

Lídia Maria de Lima

Possui Licenciatura em Pedagogia pelo Claretiano Centro Universitário (2018); Bacharelado em Teologia pela Universidade Metodista de São Paulo (2009), e Bacharelado em COMUNICAÇÃO SOCIAL/JORNALISMO – FIZO – Faculdade Integração Zona Oeste (2004) e mestrado em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo (2012). Atualmente é professora da Universidade Metodista de São Paulo. , atuando principalmente nos seguintes temas: Trabalho de conclusão de curso; pesquisas em gênero; questões etno-raciais; trânsito religioso, aconselhamento pastoral e violência doméstica.

 

 

Juarez Tadeu de Paula Xavier

Possui graduação em Comunicação Social Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1990), mestrado (2000) e doutorado (2004) pelo Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina da Universidade de São Paulo ? PROLAM/USP, com ênfase em Comunicação e Cultura; Pesquisador do Centro de Estudos Latino Americano sobre Cultura e Comunicação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de S. Paulo (Celacc/ECA/USP) e do Núcleo de Apoio à Pesquisa em Estudos Interdisciplinares sobre o Negro Brasileiro da Universidade de S. Paulo (Neinb/USP), no período de 1995 a 2010; professor da Universidade Estadual Paulista na Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação/Departamento de Comunicação Social (UNESP/Faac/DCSO) no curso de jornalismo; coordenador executivo do Núcleo Negro UNESP para a Pesquisa e Extensão (NUPE); pesquisador do Laboratório de Estudos em Comunicação, Tecnologia e Educação Cidadã (Lecotec); coordenador do Núcleo de Estudos e Observação em Economia Criativa (NeoCriativa/FAAC/UNESP/Bauru), representante a Universidade Estadual Paulista no Conselho Municipal de Cultura, na cidade de Bauru (2013-2015) e no Conselho da Cidade (2014-2016); Assessor da Pró Reitoria de Extensão da Universidade Estadual Paulista (Proex/UNESP); articulador do Programa Institucional de Educação na e pela Diversidade da Universidade Estadual Paulista (UNESP); docente do Programa de Pós Graduação de Mídia e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (PPG MiT/UNESP); Coordenador do Curso de Jornalismo da Universidade Estadual Paulista (2011-2013); Chefe do Departamento de Comunicação Social da Universidade Estadual Paulista (2014-2015), e avaliador de periódicos de estudos e pesquisas nos campos de comunicação, cultura e economia criativa; coordenador do programa Educando para a Diversidade da Unesp; colunista sobre diversidade da Rádio FM/Unesp; Membro do Conselho Consultivo da Associação Brasileira de Pesquisadores e Comunicadores em Comunicação Popular, Comunitária e Cidadã (ABPCOM)

 

Crislei de Oliveira Custódio

Possui graduação em pedagogia pela Universidade de São Paulo (2006), mestrado em Educação pela Universidade de São Paulo (2011) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2016). Atualmente é docente do Departamento de Metodologia do Ensino e Educação Comparada da Faculdade de Educação da USP, lecionando a disciplina de Didática. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, Hannah Arendt, mundo comum, esfera pública, autoridade, representações da infância, discurso pedagógico moderno.

Eduardo Januário

Doutorando em História Econômica, FFLCH-USP. Mestre em História Econômica pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, FFLCH-USP; Especialista em História, Sociedade e Cultura pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP; Licenciado em História. Professor de História e Diretor de Escola pública(2006-2011). Formador de Professores na Secretaria Municipal de São Paulo (2014-2016). Atualmente é pesquisador do Laboratório de Economia Política e História Econômica do Departamento de História da Universidade de São Paulo – LEPHE-USP, na área de Educação, Finanças Públicas e Relações Étnico-Raciais.

 

 

Kelly Cristina Magalhães

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pelo Centro Universitário Moura Lacerda (1997), mestrado em Engenharia Urbana pela Universidade Federal de São Carlos (2002) e doutorado em Engenharia Urbana pela Universidade Federal de São Carlos (2016). Atualmente é professor assistente da Universidade Estadual Paulista – Júlio de Mesquita Filho e da FIB- Faculdades Integradas de Bauru. Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em História do Urbanismo, atuando principalmente nos seguintes temas: planejamento urbano, políticas públicas, planejamento paisagístico, ferrovia e patrimônio histórico.

 

  Andresa de Souza Ugaya

Graduação (1999), mestrado (2008) e doutorado (2011) em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas. Lecionou nas universidades Cidade de São Paulo, Cruzeiro do Sul e Nove de Julho atuando nas seguintes subáreas: Ginástica (geral, rítmica, artística); Atividades Rítmicas e Expressivas; Ritmo e Movimento; Dança; Educação Física Infantil e Estágio Supervisionado. Atualmente é docente do departamento de Educação Física da Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. É responsável pelas disciplinas: Dança; Práticas formativas em dança; Atividades Rítmicas; Práticas formativas em atividades rítmicas e Diversidade lúdica na escola. Coordena o Laboratório de Corporeidade, Cultura e Arte (LACCA), o Grupo de Estudos, Pesquisas e Práticas da Cultura Popular "Pavio de Candieiro" e o Grupo de Trabalho do Núcleo Negro de Pesquisa e Extensão (NUPE) da Unesp Bauru . Co-fundadora do Coletivo Rodamundo de danças circulares e integrante do grupo "Batuque das Maria".

 

 

Marcos Ferreira dos Santos

 

jardineiro, marceneiro, artesão e folklorista – pedagogo, arte-educador e professor de mitologia, usp (em processo de aposentadoria) – livre-docente pela faculdade de educação da usp (2004) – pós-doutoramento em hermenêutica simbólica pela universidad de deusto (euskal herria, país basco, 2003) com andrés ortiz-osés (círculo de eranos) – professor de ?música & memória? em programas para a terceira idade – pesquisador do lab_arte (usp, desde 2004), do centro de investigaciones sobre cultura, imaginário y creacción artística (universidad autónoma de madrid, desde 2010) e do cice: centro de estudos sobre imaginário, cultura e educação (1994 a 2007) – professor visitante de “mitohermenêutica” nas Universidad de Deusto, Bilbao (Euskal Herria – País Basco, 2003), Universidad Complutense de Madrid (2005), Universidad Autónoma de Madrid (2009 e 2010), Universität Ramón Llull (Barcelona, 2005), Universidad San Buenaventura Cali (Colombia, 2009 e 2010), Universidad de Concepción (Chile, 2011), IAEN – Instituto de Altos Estudios Nacionales da Universidad de Postgrado del Gobierno (Ecuador, 2010 a 2012), Cátedra Agustin Nieto Caballero (Colombia, 2012), Universidad Santo Tomas (Colombia, 2013), Planetario de Bogotá (2013) e UNAE – Universidad Nacional de Educación de Ecuador (2016 e 2017) – semeador de filosofias ancestrais, de sumak kawsay e do pan-africanismo – cultivador de bonsai tropical e penjing – eterno aprendiz…

 

 

 

Cileda dos S. Sant’Anna Perrella

 

Pós-doutorado pelo Departamento de Educação da Universidade Federal de São Carlos. Mestrado e doutorado em Educação na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo – área: Estado, Sociedade e Educação. É integrante do GEPAE (Grupo de Estudos e Pesquisas em Administração Escolar) na FEUSP. Professora subst. da UNIFESP/Campus Guarulhos (2014-2016). Atuou como docente no EF e EM e como coordenadora pedagógica (EF. I e II, EI e EJA), tendo aposentado em 2012. Formadora e Assessora Técnica da equipe de gestão democrática da SME do Município de Suzano/SP (2005 – 2012). Integrou a equipe do governo municipal (2001-2004), região de São Mateus/SP, desenvolvendo ações voltadas para a formação política e democratização da gestão da escola. Coordenadora do Curso de Pedagogia da Faculdade Zumbi dos Palmares. Pesquisadora da REPU (Rede Escola Pública e Universidade). Campos/temas de interesse: politicas educacionais e gestão da educação, gestão escolar, organização do trabalho pedagógico, formação e participação política.

 

Bancada Ativista

 

 

Dentre as propostas, defendem o combate às desigualdades; sistema de educação que emancipe crianças, educadores e pais, sistema de saúde que não seja marcado por discriminação e violência; segurança pública que não discrimine grupos, não reprima protestos e o direito às manifestações e não seja conhecida pela violência brutal; diminuição do déficit habitacional, criação de espaços para produção de cultura.

Entre os integrantes: Uma jornalista, uma estudante trans negra, uma liderança indígena com mestrado pela PUC, uma professora da rede pública, uma ativista ambiental, um nordestino militante pela cultura nas periferias.

” A vida é feita de escolhas, faça VALER  A PENA”